Entre o céu e o inferno

Amigo é a bênção mais direta de Deus e também o canal que ele gosta de usar para, por exemplo, fazer você tomar decisões de cabeça erguida, com confiança.
Nesta semana, de auge no inferno e auge no paraíso, minha amiga – que conheci no paraíso, onde passei minha manhã hoje – me emprestou o filme Mestre da Vida que comecei a ver agora.
As primeiras cenas, me trouxeram um complemento da conversa que tivemos no almoço hoje, na feira, entre uma mordida de pastel e outra. Diz o seguinte:
 
"Eu me lembro bem do que aconteceu naquele verão. Havia uma onda de excitação ao meu redor. Eu estava ligado a algo que me guiava desde o nascimento.
Aqui e agora, no momento em que crio é quando me sinto mais confiante. É quando sinto que faço a coisa certa. Um onda de emoções me atinge, a maioria delas é a melhor que já conheci.
Mas sempre há um idiota que nos julga pelo que fazemos.
As piores críticas normalmente vêm de pessoas que não fazem idéia do que fazemos, não tem dons próprios e ficam irritados quando estamos felizes, alegremente nos provocam.
A menos, é claro, que estejamos deixando o mundo mais feio. Então, esse tipo de pessoa vai segurar a nossa mão com prazer e dançar conosco na sarjeta dizendo que, assim como eles, vemos como aquilo é horrível e se comprazem em comemorar.
Mas desde cedo aprendi que qualquer idiota pode ver como as coisas são feias. Não é preciso ter dom pra isso."
 
Pensando no que vi e ouvi no inferno, cheguei a pelo menos três conclusões:
– Não, decididamente não vou aprender a fazer a estratégias pra deixar um rastro de destruição atrás de mim. Minha missão pessoal e meus valores são outros.
– Pai, perdoa pois eles não sabem o que fazem.
– Nem eu.
 
As próximas conclusões ficam para o próximo episódio.
 
 
Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Entre o céu e o inferno

  1. Cla disse:

    Ver o feio, é fácil. Qualquer um faz. Ver o belo que existe em meio ao feio, nem todos conseguem.Apenas uns poucos, aprenderam que para ver o belo, é preciso fechar os olhos e ver-se. Ver-se feio, para então descobrir-se bonito, ao perceber-se humano. Tão humano quanto qualquero outro.A beleza está em ver ao outro como a si. Se o outro é feio, serei eu menos feio, atentando-se apenas a isso, ao que qualquer um faz? Ou será, que por percebê-lo como um outro eu, conseguirei vê-lo belo? Tão belo quanto eu posso ser, se não me deixar enredar pela feiúra que se mostra, buscando a beleza, que às vezes, através de forma tão simples, pequena e discreta se apresenta.Fica com Deus!Obrigada pela beleza das flores!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s